PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Eleições 2022

XP/Ipespe: Eleitor culpa Petrobras, e não Bolsonaro, pela alta dos combustíveis

Segundo pesquisa, 64% dos eleitores disseram que a estatal “tem muita responsabilidade” pelo aumento de preços; presidente foi citado por 45%

Bolsonaro
20 de Maio, 2022 | 04:27 pm

Bloomberg Línea — A estratégia do presidente Jair Bolsonaro (PL) para se esquivar da responsabilidade pela alta dos combustíveis parece funcionar. Segundo pesquisa da XP/Ipespe divulgada nesta sexta-feira (20), 64% dos eleitores disseram que a Petrobras (PETR4;PETR3) tem “muita responsabilidade” pelo aumento do preço dos combustíveis.

PUBLICIDAD

Bolsonaro foi apontado como principal culpado por 45% dos entrevistados, percentual que se mantém desde março.

Em contrapartida, a responsabilização da guerra na Ucrânia caiu de 45% em março para 40%, em maio. Já o percentual de eleitores que culpam os governadores, as gestões petistas e o Supremo Tribunal Federal aumentou.

PUBLICIDAD

Os governadores foram apontados por 39% em março e passaram a ser apontados por 40%. As gestões petistas saíram de 35% para 27%. Já o Supremo saiu de 29% em março para 32% na pesquisa divulgada nesta sexta.

Foram saltos dentro da margem de erro da pesquisa, de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos. Mas mostram que a estratégia de Bolsonaro tem funcionado “no sentido de redistribuir os danos de imagem associados ao problema”, conforme a avaliação feita pelo cientista político Antônio Lavareda, professor da Universidade Federal de Pernambuco, no Twitter.

PUBLICIDAD

Segundo ele, a estratégia do presidente consiste em “críticas contundentes” à Petrobras, bem como a troca de seu presidente e do ministro de Minas e Energia, e em uma ação apresentada ao STF pela Advocacia-Geral da União para tentar obrigar os estados a reduzir a alíquota do ICMS cobrada sobre o diesel.

Na ação, o governo argumenta que a nova lei do ICMS estabelecia um período de transição em que os estados deveriam estabelecer uma alíquota única para o diesel. Mas o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne as secretarias de Fazenda dos estados para definir políticas sobre o ICMS, estabeleceram um valor único de R$ 1 por litro de diesel, o que Bolsonaro chamou de “estupro”.

Já a ideia de privatizar a Petrobras não tem apoio da maioria dos eleitores. Segundo a pesquisa XP/Ipespe, 49% dos entrevistados são contra a venda da estatal e 38%, a favor. E 44% dos pesquisados acreditam que a desestatização vai aumentar os preços dos combustíveis, enquanto só 19% acreditam que os preços vão diminuir.

PUBLICIDAD

Caso a privatização leve à redução dos preços, 67% dos pesquisados passam a ser favoráveis à venda. E só 27% se mantêm contrários.

A economia parece continuar dando a tônica para as eleições deste ano: 62% dos eleitores acham que a economia está no caminho errado e 95% acreditam que os preços das coisas aumentaram — 72% acham que “aumentaram muito” e 23%, que “aumentaram”.

PUBLICIDAD

As intenções de voto continuaram estáveis desde a última pesquisa. O ex-presidente Lula (PT) continua em primeiro lugar, com 44%, seguido por Bolsonaro, com 32%.

Ciro Gomes (PDT) aparece em terceiro, com 8% das intenções. João Doria (PSDB) vem em seguida, com 4%, e depois vêm Simone Tebet (MDB) e André Janones (Avante), ambos com 2%.

PUBLICIDAD

Entretanto, a presença de Doria nas urnas em outubro voltou a ser dúvida. Nesta semana, as cúpulas do PSDB, MDB e Cidadania se reuniram para decidir apoiar em conjunto um único candidato da chamada “terceira via” — uma alternativa a Lula e a Bolsonaro. Tomaram a “decisão provisória” de se aglutinar em torno de Simone Tebet.

De acordo com a pesquisa XP/Ipespe, 38% dos eleitores consideram o voto em Doria (5% disseram que “votarão com certeza” e 33%, que “poderiam votar). Em relação a Simone Tebet, a cifra é de 17%.

PUBLICIDAD

As cifras já foram usadas pela campanha de Doria para criticar o consenso em torno de Tebet. Em nota divulgada à imprensa, a campanha do tucano disse que a pesquisa “vai na contramão da interpretação da cúpula do PSDB, MDB e Cidadania”.

No entanto, 53% dos eleitores disseram que não votariam “de jeito nenhum” no tucano. Enquanto a rejeição da emedebista é de 37% — ao mesmo tempo, só 8% dos eleitores disseram desconhecer Doria, e 45% afirmaram não conhecer Tebet.

PUBLICIDAD

A pesquisa ouviu mil pessoas por telefone entre os dias 16 e 18 de maio. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais, para mais ou para menos, e o índice de confiança é de 95%. O registro no TSE é BR-08011/2022.

Leia também:

PUBLICIDAD

Genial/Quaest: Bolsonaro para de crescer após três meses; Lula mantém liderança

Elon Musk no Brasil: Bolsonaro chama Musk de ‘protetor da liberdade’

Bloomberg LíneaÚltimas BrasilJair BolsonaroLulaSimone TebetJoão DoriaCiro GomesEleições 2022Petrobras
Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.