Mercados

A briga do ano: Goldman Sachs e JPMorgan contrariam Citigroup sobre futuro do Fed

O que vai acontecer quando o Federal Reserve começar a retirar centenas de bilhões de dólares do mercado de títulos americano?

Jerome Powell
Por Anchalee Worrachate
26 de Abril, 2022 | 05:55 PM

Bloomberg — Quando o Federal Reserve começar a retirar centenas de bilhões de dólares do mercado de títulos americano este ano, as ações cairão, o crescimento enfraquecerá e os títulos se recuperarão de suas piores perdas já registradas.

PUBLICIDAD

Esse é um cenário. Aqui vai outro: as ações retomam sua ascensão enquanto o Fed interrompe seu aperto monetário, a inflação recua e a recuperação econômica fica intacta.

Qual cenário é mais provável está no centro de um debate entre investidores que se preparam para o aperto monetário mais agressivo dos EUA em décadas. A campanha deve incluir em breve o chamado aperto quantitativo, com uma retirada sem precedentes de liquidez do sistema financeiro.

PUBLICIDAD

Os formuladores de políticas do Fed expressaram confiança de que podem executar seu aperto sem matar a recuperação.

O Goldman Sachs (GS) e JPMorgan (JPM) estão entre aqueles que concordam que uma recessão é improvável e dizem que é muito cedo para começar a mudar de ações para títulos do governo.

PUBLICIDAD

Do outro lado estão Robeco Institutional Asset Management, Brandywine Global Investment Management e Citigroup (C). Para eles, cortar ativos de risco e comprar títulos do governo é uma forma de se proteger contra o risco de que o crescimento estacione.

Seguir uma seleção de outras perspectivas sobre as implicações do aperto quantitativo do Fed - que pode ser anunciada em 4 de maio.

Fique em ações

Christian Mueller-Glissmann.Fonte: Goldman Sachs Group Inc.dfd

Christian Mueller-Glissman, diretor de estratégia de portfólio e alocação de ativos do Goldman:

PUBLICIDAD
  • O aperto aumentará a pressão sobre os rendimentos dos títulos de longo prazo. Mas os aumentos devem ser graduais
  • É muito cedo para começar a mudar de ações para títulos.
  • A questão-chave agora é se o aumento dos rendimentos reais prejudicará o crescimento.

Cuidado com os mercados emergentes

Jane FoleyFonte: Bloombergdfd

Jane Foley, chefe de estratégia de câmbio do Rabobank:

  • Um ritmo de aperto quantitativo mais rápido do que talvez muitos investidores esperavam aumenta o risco e a volatilidade, e, possivelmente, também as chances de um erro de política.
  • É provável que as ondas de choque dessa política se espalhem pelos mercados emergentes, onde os custos de manter dívidas em moedas fortes podem se tornar um fardo extra além dos preços mais altos de alimentos e petróleo. Isso, por sua vez, poderia ampliar a lacuna entre a demanda por ativos dos países desenvolvidos e de mercados emergentes não exportadores de commodities.

Títulos sobre ações

Matt KingFonte: Citigroupdfd

Matt King, estrategista de mercados globais do Citigroup:

PUBLICIDAD
  • A precificação do mercado é muito baixistas em títulos longos e ainda muito otimistas em ações.
  • À medida que o Fed embarca no aperto e realmente retira liquidez, voltaremos ao mesmo desempenho negativo em ativos de risco que vimos no início deste ano e na semana passada. E nisso, somos mais pessimistas do que on consenso. Uma regra prática útil é que cerca de US$ 1 trilhão de dólares em flexibilização ou aperto quantitativo valem cerca de 10% no mercado de ações ao longo de 12 meses.

Ainda gostando de crédito

Kelsey BerroFonte: JPMorgandfd

Kelsey Berro, gestora de renda fixa do JPMorgan Asset Management:

  • Por enquanto, a recessão não é nosso cenário base e mantemos investimentos em títulos com grau de investimento e alto rendimento.
  • Com a taxa básica ainda próxima de zero, o mercado de trabalho aquecido e a economia operando acima do potencial, ativos de risco como crédito ainda devem encontrar compradores.

Títulos de curto prazo

Bob Stoutjesdijk, gestor de carteira da Robeco Institutional Asset Management:

PUBLICIDAD
  • O Fed não será capaz de alcançar uma aterrissagem suave, pois aumenta as taxas de juros e retira liquidez por meio do aperto quantitativo. A economia desacelerará ainda este ano e entrará em recessão.
  • Nosso posicionamento é conservador. Favorecemos títulos do governo de curto vencimento.

Comprando Treasuries

Jack McIntyre, gerente de portfólio na Brandywine Global Investment Management:

  • Estamos comprando títulos do Tesouro como uma jogada defensiva e reduzindo os ativos de risco porque esperamos que o crescimento desacelere e os títulos se recuperem nos próximos meses.
  • O risco de estagflação está aumentando, mas o mercado está atualmente focando mais no componente de alta inflação. Suspeito que em breve teremos que nos concentrar na desaceleração da atividade econômica como parte da estagflação.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Conheça as brasileiras entre as 50 Mulheres de Impacto da América Latina em 2022

Por que os unicórnios brasileiros estão demitindo

Últimas BrasilGoldman SachsJPMorganCitigroupFederal Reserve
PUBLICIDAD