PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Brasil

AGORA: Vendas no varejo sobem 1% em março, na terceira alta seguida

Na comparação anual, o índice subiu 4%, com destaque para materiais de escritó ;

Na comparação com março de 2021, o índice subiu 4%
10 de Maio, 2022 | 09:05 am

Bloomberg Línea — As vendas no varejo brasileiro tiveram alta mensal de 1% em março, no terceiro avanço consecutivo do ano. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

  • Na comparação com março de 2021, o índice subiu 4%
  • O maior crescimento foi no setor de tecidos, vestuário e calçados (81,3%), que apresentou a terceira alta consecutiva e, em março, deu a maior contribuição dentre todas as atividades: foi responsável por três pontos percentuais do total do comércio varejista

Vendas no varejo por setor

Na passagem de fevereiro para março de 2022, seis das oito atividades apresentaram alta. Segundo o instituto, o destaque ficou com o desempenho de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação e para outros artigos de uso pessoal e doméstico, com altas de 13,9% e 3,4%, respectivamente.

PUBLICIDAD

Neste último, Cristiano Santos, gerente da pesquisa, aponta que houve boa contribuição das lojas de departamentos. “As grandes varejistas começaram a ensaiar uma retomada das lojas físicas, com expansão principalmente no Nordeste e Norte, mas em todo o país”.

Já no setor de material de escritório e informática, o movimento é de reposicionamento após alguns meses de queda. “Captou-se grandes promoções, já que o dólar não valorizou ante o real no período, pelo contrário. Com isso, artigos dessa natureza costumam ficar mais acessíveis”, justifica Santos.

Leia também

Lemann: ‘Na crise, empreendedores aceitam seus investimentos a um preço menor’

Últimas BrasilBloomberg LíneaInflação
Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.

PUBLICIDAD