Mercados

Ásia recua e futuros de NY sinalizam mais perdas na terça-feira

Rendimento dos títulos de 10 anos dos EUA subiu para 2,80%, o maior nível desde março de 2019

Ásia recua e futuros de NY sinalizam mais perdas na terça-feira
Por Andreea Papuc
11 de Abril, 2022 | 10:38 PM
Últimascotações

Bloomberg — Os mercados asiáticos de ações caíram nesta terça-feira e os títulos estenderam o “sell-off” levando o rendimento dos Treasuries de 10 anos (GT10) ao maior nível desde 2018, conforme se espalham pelos mercados os temores com as ameaças econômicas de alta inflação, aperto da política monetária e lockdowns por conta da covid na China.

PUBLICIDAD

As ações caíram no Japão, na Austrália e na Coreia do Sul, enquanto os futuros dos EUA também recuara. O S&P 500 (SPX) teve forte queda na segunda-feira e o Nasdaq 100 (NDX), referência em tecnologia, caiu mais de 2%. Este último perdeu mais de US$ 1 trilhão em valor de mercado nas últimas cinco sessões.

Os títulos do Tesouro dos EUA desabaram, levando o rendimento de 10 anos para 2,80%, à medida que o sell-off global de títulos continuava. Um indicador de dólar está em sua maior sequência de alta desde 2020. Ambas as tendências refletem as expectativas de que o Federal Reserve implementará seu aperto de política monetária mais rápido desde 1994. A dívida da Austrália e da Nova Zelândia também caiu.

PUBLICIDAD

O petróleo se estabilizou após uma queda que viu o petróleo apagar a maioria dos ganhos provocados pela invasão da Ucrânia pela Rússia. Os surtos de vírus e restrições de mobilidade na China, em busca de uma controversa estratégia de Covid-Zero, estão aumentando o risco no país.

O próximo grande teste para os mercados se aproxima na terça-feira, quando os EUA devem divulgar o resultado da inflação para março de mais de 8%. Embora isso possa marcar o pico, há temores de que as pressões de preço permaneçam elevadas. A guerra na Ucrânia está interrompendo os fluxos de commodities essenciais, e os lockdowns da China estão sobrecarregando as cadeias de suprimentos.

PUBLICIDAD

“O que enfrentamos este ano é a estagflação”, disse Kathryn Rooney Vera, chefe de pesquisa macro global da Bulltick LLC, à Bloomberg Television. “É um ambiente muito complicado em que o Fed se encontra” e o mercado está precificando potencialmente 50 pontos-base de aumentos em cada uma das próximas duas reuniões de política, acrescentou.

Charles Evans, presidente do Fed de Chicago, que há muito é um dos formuladores de políticas mais dovish dos EUA, disse que vale a pena debater um ritmo acelerado de aumentos de juros para combater a inflação.

O banco central está fazendo todo o possível para evitar “danos colaterais” do aumento das taxas de juros, uma “ferramenta de força bruta” que pode atuar como um “martelo” na economia, disse o governador do Fed, Christopher Waller.

PUBLICIDAD

Um dos cenários mais perigosos para os mercados “é que temos que aumentar as taxas em um ritmo que reprima o crescimento”, disse Kathryn Kaminski, estrategista-chefe de pesquisa do AlphaSimplex Group, à Bloomberg Television. “Esse é o cenário com o qual a maioria das pessoas está preocupada.”

Enquanto isso, o mercado de derivativos de crédito considerou que a Russian Railways JSC está inadimplente depois de perder um pagamento de juros no mês passado. A Rússia disse que interromperá as vendas de títulos pelo resto do ano e tomará medidas legais se as sanções a forçarem a um default soberano.

PUBLICIDAD

Em outros mercado, o Bitcoin (BTC) afundou, parte de uma ampla fraqueza nas criptomoedas, empurrando o maior token digital do mundo para menos de US$ 40 mil.

Eventos para acompanhar esta semana:

PUBLICIDAD
  • Resultados corporativos: A temporada começa incluindo relatórios do Citigroup (C), JPMorgan Chase (JPM), Goldman Sachs (GS), Morgan Stanley (MS), Taiwan Semiconductor Manufacturing, Wells Fargo (WFC);
  • Relatório mensal do mercado de petróleo da OPEP, terça-feira;
  • A governadora do Fed, Lael Brainard, e o presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin, devem falar na terça-feira;
  • Decisão da taxa do Banco do Canadá, terça-feira;
  • Relatório de estoque de petróleo bruto da EIA, quarta-feira;
  • Decisão da taxa do Reserve Bank of New Zealand, quarta-feira;
  • China: Comércio, linhas de crédito de médio prazo, quarta-feira;
  • Decisão da taxa do BCE, quinta-feira;
  • Decisão política monetária do Banco da Coreia, quinta-feira;
  • EUA: vendas no varejo, pedidos iniciais de seguro-desemprego, estoques de negócios, sentimento do consumidor da Universidade de Michigan, quinta-feira;
  • A presidente do Fed de Cleveland, Loretta Mester, e o presidente do Fed da Filadélfia, Patrick Harker, devem falar na quinta-feira;
  • EUA: mercados de ações e títulos fechados para a Sexta-feira Santa.

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

Ações

  • Os futuros de S&P 500 (ESA) recuavam 0,3% às 10h30 em Tóquio (22h30 em Brasília). Na segunda, o S&P 500 (SPX) caiu 1,7%;
  • Os futuros do Nasdaq 100 (NQA) tinham baixa de 0,3%. O Nasdaq 100 (NDX) caiu 2,4%;
  • O índice Topix (TOPIX), de Tóquio, caía 0,5%;
  • O índice Kospi (KOSPI), de Seul, recuava 0,9%;
  • O índice S&P/ASX 200 da Austrália (AS51) caía 0,5%;
  • Os futuros do Hang Seng (HSI) subiram 1,4% mais cedo;

Moedas

  • O iene japonês (JPY) operava a 125,30 por dólar;
  • O yuan offshore (CNH) operava a 6,3896 por dólar;
  • O Bloomberg Dollar Spot Index (DXY) operava estável;
  • O euro (EUR) subia 0,3% para US$ 1,0885;

Renda fixa

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos subia dois pontos base para 2,80%;
  • O rendimento de 10 anos da Austrália subia seis pontos base para 3,06%;

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) era negociado a U$ 95,26 o barril, com alta de 1%;
  • O ouro era negociado a US$ 1.952,25 a onça.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Últimas BrasilMercadosfuturosUcrânia
PUBLICIDAD