PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Brasil

Bolsonaro: troca de ministro foi ‘recado’ para Petrobras entender o seu papel

Presidente explicou em live semanal por que demitiu Bento Albuquerque do Ministério de Minas e Energia e colocou Adolfo Sachsida

“A gente espera fazer as mudanças de pessoas [...] para diminuir o preço do combustível no Brasil", disse Bolsonaro em live
12 de Maio, 2022 | 08:50 pm

Bloomberg Línea — Em sua live semanal desta quinta-feira (12), o presidente Jair Bolsonaro (PL) relacionou a troca do ministro de Minas e Energia na véspera a “um pequeno problema na Petrobras”. “Estamos fazendo o possível — sem interferência, obviamente — para fazer a Petrobras entender qual é o seu papel. Entender como? Fazendo mudanças, como fizemos no Ministério de Minas e Energia”, disse.

O presidente disse ainda que o almirante Bento Albuquerque, substituído no Ministério pelo economista Adolfo Sachsida, pediu para deixar a pasta, e não teria sido demitido. “Tínhamos um pequeno problema na Petrobras e ele resolveu assinar a sua saída do Ministério de Minas e Energia”, contou Bolsonaro na live.

PUBLICIDAD

“A gente espera fazer as mudanças de pessoas que a gente pode fazer, para buscar minorar, diminuir o preço do combustível no Brasil. Deixo bem claro que está previsto em lei que a Petrobras tem que ter o seu papel social no tocante a preço de combustível”, declarou Bolsonaro.

A Petrobras se tornou um dos temas mais importantes da campanha para reeleição do presidente. Pelo menos desde o final do ano passado, Bolsonaro tem reclamado dos “lucros absurdos” da estatal, como disse na live de hoje, e pedido publicamente para a empresa não reajustar o preço dos combustíveis na refinaria.

Ontem, a Petrobras anunciou reajuste de 8,87% no diesel, um dos principais componentes do custo do frete rodoviário. Em discurso, Bolsonaro chamou o aumento de “estupro”.

PUBLICIDAD

Segundo pesquisa Genial/Quaest divulgada ontem, a economia é considerada o principal problema para 50% dos eleitores. E 18% deles acreditam que a inflação é o principal problema econômico do país. O IPCA, índice oficial de inflação ao consumidor, chegou a 12,13% nos 12 meses encerrados em abril. Trata-se da maior taxa anualizada desde 2003.

As declarações de Bolsonaro sobre a troca do ministro de Minas e Energia acabaram confirmando o que parte dos economistas e dos analistas havia afirmado na véspera. A avaliação é que o governo pode tentar emplacar alguma mudança legislativa, aproveitando o projeto de lei que cria a conta de estabilização de preços de combustíveis, já aprovada no Senado e em tramitação na Câmara.

Sachsida, o novo ministro nomeado, negou essa possibilidade. Em pronunciamento ontem à noite, disse que vai pedir estudos para incluir a Petrobras na lista de privatizações do governo federal. Ele também disse que pretende mudar o regime de exploração da camada do pré-sal, para que os leilões sejam vencidos por empresas que ofereçam o maior preço pelo direito de exploração, e não por aqueles que ofereçam a maior fatia à Petrobras, como é hoje. Mas, a cinco meses das eleições, analistas apontam que são mínimas as chances de o governo se empenhar e conseguir aprovar uma medida tão complexa como essa.

PUBLICIDAD

Bolsonaro já trocou o presidente da Petrobras três vezes em pouco mais de um ano. Começou o governo com Roberto Castello Branco e o demitiu nos primeiros meses de 2021. Nomeou o general Joaquim Silva e Luna, demitido no mês passado e substituído por José Mauro Coelho, atualmente no cargo.

Todos os presidentes da empresa demitidos foram criticados por Bolsonaro e por integrantes do governo por causa das políticas de preços da companhia, que seguem as cotações internacionais do petróleo.

Leia também:

PUBLICIDAD

Sachsida, agora ministro, foi um dos primeiros a embarcar na campanha de Bolsonaro

Genial/Quaest: Bolsonaro para de crescer após três meses; Lula mantém liderança

BrasilÚltimas BrasilJair BolsonaroBloomberg LíneaPetrobrasBento Albuquerque
Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDAD