Agro

BRF: Sob Molina, novo conselho fará ajustes lentos e graduais na empresa

Novo conselho não quer assustar mercado com mudanças bruscas na diretoria, como fez Abilio Diniz à sua época

Novo presidente do conselho da BRF quer fazer ajustes lentos e pontuais na estrutura administrativa da empresa
12 de Abril, 2022 | 08:08 AM

Bloomberg Línea — Quase uma semana após a renúncia de Carlos Alberto de Moura e Sidney Manzaro dos cargos de vice-presidente financeiro e de relações com investidores e de vice-presidente Brasil, respectivamente, pouco se ouviu falar em novas mudanças na estrutura corporativa da BRF (BRFS3). E a tendência é que continue assim. Uma fonte próxima da nova gestão da empresa disse que a pretensão de Marcos Molina, novo presidente do conselho de administração da BRF, é fazer uma transição lenta e gradual para não assustar o mercado.

PUBLICIDAD

A Ideia é que outras peças da diretoria executiva da BRF sejam trocadas, ao longo do tempo, mas que as mudanças passem quase que despercebidas pelo mercado. A primeira reunião entre a diretoria e os novos membros do conselho ocorreu de forma tranquila, segundo a fonte, e novas trocas não estão previstas em um primeiro momento.

A própria saída de Moura da liderança financeira e de relações com investidores não estava nos planos do novo conselho. A expectativa era que o executivo ficasse um pouco mais de tempo e pudesse passar o bastão para algum nome mais próximo de Molina e Sérgio Rial, novo vice-presidente do conselho. Quem fica em seu lugar é Fabio Mariano, que atuava como diretor financeiro da América Latina da BRF. Carlos Alberto de Moura está a caminho da Raízen (RAIZ4) para ocupar, a partir de 1º de junho, o posto deixado Guilherme José de Vasconcelos Cerqueira como CFO e diretor de relações com investidores.

PUBLICIDAD

Como era esperado, o primeiro trimestre do ano não deve trazer resultados muito positivos para a BRF. O setor de aves e suínos ainda vive um momento delicado com a demanda da China com tendência de queda e os custos de produção ainda elevados. Adiciona-se a esse contexto a queda do dólar, que para empresas exportadoras como a BRF significa menos reais no caixa da companhia.

A substituição de Manzaro era até certo ponto esperada. O próprio executivo já ter manifestado interesse anterior em buscar projetos pessoais e fica na empresa até 1° de julho. Egresso da Sadia, viveu a compra de sua empresa pela concorrente Perdigão e o nascimento da BRF, onde ficou até 2015. Estava na Grano Alimentos, quando foi convidado por Pedro Parente e Lorival Luz para retornar à empresa em 2019, onde ficou até a semana passada. No lugar de Manzaro entra Manoel Martins, que trabalhou na BRF de 2007 a 2015, quando deixou a empresa sob a gestão de Abílio Diniz e Tarpon, mudando para a concorrente JBS (JBSS3), para a unidade de massas da Seara. Ele voltou para a BRF em 2018 como diretor comercial das operações do Brasil e agora assume a operação brasileira.

Leia também

Últimas BrasilBloomberg LíneaBRFMarfrig
Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDAD