Mercados

Como a Covid-19 na China ameaça impactar mercados emergentes

Crise chinesa pode reduzir as taxas de crescimento no Brasil; analistas enxergam países com altos vínculos comerciais com a China como os mais vulneráveis

Novos surtos de Covid estão assustando investidores globais que temem que as paralisações na China ecoem em todo o mundo, diminuindo a demanda e interrompendo as cadeias de suprimentos
Por Marcus Wong y Netty Ismail
01 de Maio, 2022 | 07:34 PM

Bloomberg — Uma venda generalizada na China está se espalhando pelos mercados emergentes, ameaçando sufocar o crescimento e arrastar para baixo ações, moedas e títulos.

PUBLICIDAD

Novos surtos de Covid - e a política rigorosa do governo para contê-los - estão assustando investidores globais que temem que as paralisações na China ecoem em todo o mundo, diminuindo a demanda e interrompendo as cadeias de suprimentos. Isso os leva a vender não apenas a moeda, títulos e ações da China, mas os ativos de qualquer nação em desenvolvimento que dependa fortemente do comércio com a segunda maior economia.

O resultado é a queda mais acentuada nos mercados emergentes em dois anos, não muito diferente do colapso em 2015, quando os problemas da China levaram a uma derrota em seus títulos e moedas, além de eliminar US$ 2 trilhões dos valores das ações. Desde então, a influência do país na economia global só cresceu: agora é o maior comprador de commodities, o que significa que sua queda pode impactar os exportadores de matérias-primas e seus mercados mais do que nunca.

PUBLICIDAD

“Dada a importância da China nas cadeias de suprimentos globais e importância para as perspectivas de crescimento global, mais decepções no crescimento do país podem levar a mais risco de contágio”, escreveram Johnny Chen e Clifford Lau, gerentes de dinheiro da William Blair Investment Management em Cingapura, por e-mail. “Vemos os países com altos vínculos comerciais com a China como os mais vulneráveis”.

À medida que exércitos de executores vestidos de branco chegaram a Xangai e Pequim no final de abril para supervisionar os testes de Covid-19 obrigatórios de milhões de chineses, o yuan offshore caiu para a pior perda mensal em pelo menos 12 anos. O MSCI Emerging Markets Currency Index, com um peso de quase 30% para a moeda chinesa, caiu em conjunto. A correlação de 30 dias do yuan com o índice subiu para o nível mais forte desde setembro, ressaltando a influência da moeda na liquidação dos mercados emergentes. Depois que Xangai relatou suas primeiras mortes desde o último surto de Covid-19, a venda de pânico se espalhou para títulos e ações.

PUBLICIDAD

A escala das perdas levou as autoridades chinesas a intervir e garantir aos mercados que vão apoiar a recuperação econômica e vão aumentar os gastos com infraestrutura. Eles também sinalizaram disposição para resolver questões regulatórias no setor de tecnologia. Essas promessas acalmaram os nervos dos investidores, embora as autoridades não tenham abandonado a severa política Covid Zero que provocou o pânico inicial. Embora o último dia de negociação de abril tenha visto uma recuperação do yuan, a maioria dos analistas espera que a moeda retome sua queda.

A meta de crescimento de 5,5% de Pequim para 2022 está agora em questão, levando analistas do Standard Chartered ao HSBC a prever perdas cambiais nos próximos três meses. Isso, por sua vez, pode reduzir as taxas de crescimento em países como África do Sul e Brasil, justamente quando também são atingidos por rendimentos mais altos dos EUA, uma espiral inflacionária e a guerra na Ucrânia.

Se a economia da China desacelerar significativamente, as moedas dos mercados emergentes, assim como o yuan, poderão passar por um período de volatilidade elevada e persistente”, disse Brendan McKenna, estrategista de câmbio da Wells Fargo Securities em Nova York.

PUBLICIDAD

Dor de commodity

O rand apagou quatro meses de ganhos em apenas duas semanas, enquanto o real brasileiro, o peso colombiano e o peso chileno registraram algumas das quedas mais acentuadas entre os pares. As perdas no carry trade aumentaram, encerrando o pior resultado desde novembro.

Os gerentes cambiais rapidamente passaram a rebaixar suas perspectivas cambiais para os mercados emergentes. O HSBC cortou sua previsão para nove moedas asiáticas, citando as dificuldades econômicas da China. A TD Securities e a Neuberger Berman disseram que o won da Coreia do Sul e o dólar de Taiwan ficarão sob maior pressão.

PUBLICIDAD

“Continuamos mantendo uma postura cautelosa em relação às moedas asiáticas e esperamos mais volatilidade até o momento em que algumas dessas preocupações de crescimento diminuam”, Prashant Singh, gerente sênior de portfólio de dívida de mercados emergentes da Neuberger Berman em Cingapura.

Rota de vários ativos

As perdas cambiais também estão causando uma liquidação nos títulos locais, que caíram para os piores primeiros quatro meses de um ano já registrados, já que o desempenho em abril foi o pior desde o pico da pandemia em março de 2020. O principal obstáculo aqui foi a China novamente, com um peso de 41% no índice Bloomberg para a classe de ativos. Os títulos do país registraram o maior recuo mensal desde a crise financeira de 2008, ao mesmo tempo em que provocaram perdas de dois dígitos em países como a África do Sul, Polônia e Chile.

PUBLICIDAD

As ações também não foram poupadas. Uma derrota nas ações de tecnologia chinesas listadas em Hong Kong ecoou a meio mundo de distância em Joanesburgo. A Naspers, que detém 28,8% da Tencent, caiu para o menor nível em cinco anos. Uma queda de três semanas, em parte alimentada pelo pânico com os casos de Covid na China (e em parte pelo aumento dos rendimentos dos EUA) levou as ações de mercados emergentes a apagar US$ 2,7 trilhões em valor de mercado.

A atividade econômica da China contraiu acentuadamente em abril, à medida que o bloqueio de Xangai aumentou as preocupações com mais interrupções às cadeias de suprimentos globais. A atividade fabril caiu para o nível mais baixo em mais de dois anos, com o PMI oficial de manufatura caindo para 47,4 de 49,5 em março, segundo dados divulgados pelo Departamento Nacional de Estatísticas no sábado.

PUBLICIDAD

“A desaceleração da China irá agravar as perspectivas desafiadoras para as economias emergentes que enfrentam preços de energia crescentes e políticas monetárias mais rígidas dos principais bancos centrais”, disse Mansoor Mohi-uddin, economista-chefe do Bank of Singapore.

Aqui estão as principais coisas a serem observadas nos mercados emergentes na próxima semana:

PUBLICIDAD
  • Coreia do Sul, Tailândia e Taiwan divulgarão os dados de inflação mais recentes para abril, com o crescimento dos preços em março subindo para pelo menos uma alta de quase uma década nas três economias
  • A pesquisa do PMI da Rússia será um dos primeiros vislumbres de atividade em abril, o segundo mês completo da guerra do presidente Vladimir Putin contra a Ucrânia
  • Investidores de títulos estarão atentos aos pagamentos de cupons em dólares enquanto o relógio está correndo para o período de carência de 30 dias do país, que termina em 4 de maio
  • A inflação da Turquia deve subir para 65% em abril, a maior desde 2002, mas ainda é improvável que desencadeie uma resposta de um banco central politicamente limitado
  • No Brasil, o destaque da próxima semana é a reunião de política monetária, onde a curva de juros mostra que os investidores acreditam que o banco central cumprirá sua promessa de elevar a taxa básica de juros em 100 pontos-base
  • No Chile, o banco central deve continuar seu ciclo de aperto em ritmo mais moderado e aumentar a taxa básica de juros para 8,0%

--Colaborou Amelia Pollard.

Veja mais em bloomberg.com

MercadoChinaBrasilRealÚltimas Brasil
PUBLICIDAD