PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Brasil

‘É solução tabajara’, diz líder caminhoneiro sobre proposta de zerar ICMS do diesel

Plano do presidente Bolsonaro de zerar impostos dos combustíveis e compensar Estados foi recebida com ceticismo por categoria que o apoiou em 2018

Proposta do governo para tentar reduzir os preços do diesel foi recebida com ceticismo entre entidades de caminhoneiros
07 de Junho, 2022 | 03:33 pm

Bloomberg Línea — A proposta do governo federal de pagar um ressarcimento aos Estados que zerarem o ICMS sobre o diesel teve como principal categoria destinatária os caminhoneiros. Uma parte das entidades que representam a classe, no entanto, reagiu com ceticismo e voltou a cobrar mudanças na política de preços da Petrobras (PETR3, PETR4).

PUBLICIDAD

“O governo tenta resolver um problema complexo com uma solução tabajara. Retirar o ICMS dos combustíveis, que não é receita da União, é como tomar dinheiro do vizinho para pagar uma conta da minha casa”, disse Wallace Landim, o Chorão, presidente da Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores), que tem 35 mil filiados no país.

O líder da entidade lembrou que, para entrar em vigor, a proposta precisaria alterar a Constituição com apoio de dois terços dos congressistas tanto na Câmara como no Senado.

PUBLICIDAD

Em 2018, a categoria votou em peso no então candidato Bolsonaro. Estima-se que rodem nas estradas brasileiras 750 mil caminhoneiros autônomos e igual contingente de profissionais contratados por transportadoras. A categoria é fragmentada em dezenas de entidades. A Abrava é uma das mais representativas e foi uma das protagonistas da greve que parou o país e derrubou o PIB em 2018.

Chorão disse que a isenção prometida de PIS, Cofins e Cide não vai aliviar o problema de custos dos caminhoneiros porque representam somente 6% do preço do combustível.

PUBLICIDAD

“Os preços dos combustíveis vão continuar subindo. Esse movimento é só um paliativo para aumentar o diesel novamente. Se não aumentar, vai faltar nos postos, o que é fruto da política de preços da Petrobras, empresa criada com dinheiro público e da qual o governo é acionista majoritário”, disse.

Segundo ele, o país é autossuficiente na extração de petróleo, mas não refina a produção aqui por “falta de planejamento, corrupção e incompetência”.

Leia também:

PUBLICIDAD

Ressaca da bolsa: Empiricus corta 12% do pessoal em demissão coletiva

Por que o Brasil se tornou o maior mercado desta firma de segurança de Israel

A disputa de R$ 100 milhões por um pedaço do prédio mais alto do Rio

Bloomberg LíneaÚltimas BrasilPetrobrasEleições 2022Jair Bolsonaro
Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.