Internacional

FMI: América Latina deve enfrentar inflação para evitar distúrbios

FMI diz que governos devem implementar medidas temporárias para suavizar o repasse do aumento dos preços

O aumento da inflação desencadeou protestos em massa e tumultos em países como o Peru. O FMI alertou para as tensões sociais que os preços altos podem gerar
Por Eric Martin
26 de Abril, 2022 | 10:49 AM

Bloomberg — Os governos da América Latina devem fornecer apoio fiscal direcionado e temporário para ajudar as famílias pobres a lidar com os preços mais altos de alimentos e energia e reduzir o risco de agitação social por causa do aumento da inflação, de acordo com o Fundo Monetário Internacional.

PUBLICIDAD

O FMI, há muito criticado por defender uma austeridade dolorosa, disse que em países onde as redes de segurança social não são bem desenvolvidas, os governos podem implementar medidas temporárias para suavizar o repasse do aumento dos preços internacionais devido à invasão da Rússia à Ucrânia. Ao mesmo tempo, o fundo com sede em Washington alertou para o custo fiscal e o potencial de distorções.

Desde o início da guerra, 40% dos países introduziram novas medidas para ajudar a conter os efeitos do aumento dos preços sobre os grupos vulneráveis, desde reduções de impostos e tarifas de importação até tetos de preços ou transferências sociais, com um custo fiscal médio estimado de 0,3% do produto interno bruto este ano, disse o FMI.

PUBLICIDAD

O impacto da inflação já provocou protestos no Peru, onde o aumento mais rápido do custo de vida em duas décadas provocou distúrbios que levaram o presidente Pedro Castillo a impor um toque de recolher na capital Lima.

Algumas economias da região como Argentina, Brasil, Colômbia e Chile são importantes produtores de alimentos, petróleo e metais. Os países que se beneficiam de preços mais altos para suas exportações podem achar mais fácil financiar medidas de bem-estar, escreveram funcionários do FMI em um post publicado na terça-feira.

PUBLICIDAD

Ainda assim, “qualquer margem adicional deve ser usada com cautela, devido aos riscos extraordinariamente altos em torno da recuperação global e da evolução dos preços das commodities, bem como o aumento dos custos de financiamento do governo”, disseram as autoridades.

Por exemplo, qualquer desaceleração adicional na China devido à covid-19 ou outros motivos podem afetar as exportações e o comércio da região, de acordo com o blog, escrito por Ilan Goldfajn, diretor do Hemisfério Ocidental do Fundo e ex-presidente do Banco Central do Brasil.

Além disso, os custos de financiamento doméstico e internacional mais altos resultantes do aperto da política monetária do Federal Reserve podem afetar as condições financeiras globais e os custos de financiamento mais altos podem acelerar as saídas de capital da América Latina, disse o Fundo.

PUBLICIDAD

O FMI previu na semana passada um crescimento de 2,5% para a América Latina e Caribe para este ano. Embora seja uma melhora marginal em comparação com os 2,4% esperados em janeiro, é a taxa mais lenta entre as regiões do mundo, com exceção da Europa emergente e em desenvolvimento, que é prejudicada pela recessão da Rússia devido às sanções ocidentais.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

Por que os unicórnios brasileiros estão demitindo

Conheça as brasileiras entre as 50 Mulheres de Impacto da América Latina em 2022

Últimas BrasilBrasilFMI
PUBLICIDAD