Cripto

Gucci começará a aceitar pagamentos de criptomoedas em algumas lojas dos EUA

Clientes em algumas lojas em Nova York, Los Angeles, Miami, Atlanta e Las Vegas poderão pagar usando tokens digitais a partir do final de maio

Gucci
Por Angelina Rascouet
05 de Maio, 2022 | 08:20 AM

Bloomberg — A Gucci aceitará pagamentos em criptomoedas nos EUA a partir deste mês, à medida que a indústria de luxo dá passos provisórios no universo de ativos digitais.

PUBLICIDAD

Clientes em algumas lojas em Nova York, Los Angeles, Miami, Atlanta e Las Vegas poderão pagar usando tokens digitais a partir do final de maio, informou a casa de moda italiana em comunicado. Ela adotará essa opção de pagamento em todas as suas lojas norte-americanas neste verão.

A Gucci, de propriedade da Kering, aceitará inicialmente 10 criptomoedas, incluindo Bitcoin, Bitcoin Cash, Ether, Dogecoin e Shiba Inu.

PUBLICIDAD

A empresa se junta ao estilista Philipp Plein, cuja loja online começou a aceitar pagamentos com criptomoedas em 2021. Plein disse em uma entrevista no final de abril que espera que as compras feitas com tokens digitais aumentem este ano e que aceitar criptomoedas trouxe muitos ganhos para sua empresa de novos clientes” na comunidade criptográfica.

O CEO da Kering, François-Henri Pinault, disse em fevereiro que a Gucci e outras casas de moda como Balenciaga tinham equipes de inovação procurando oportunidades relacionadas ao metaverso e à Web 3.0.

PUBLICIDAD

“Estamos em um estágio muito precoce do que pode acontecer, nada é certo”, disse Pinault na época. A abordagem adotada pela Kering e suas marcas é mais “testar e aprender” do que “esperar para ver”, disse ele, acrescentando que os pagamentos de criptomoedas têm implicações legais e fiscais “muito pesadas”.

A decisão de adotar os pagamentos criptográficos mostra como as marcas de luxo estão tentando atrair as gerações mais jovens de consumidores atendendo a tendências emergentes, como criar roupas para personagens digitais. Mas nem todos os grupos de luxo estão convencidos. Axel Dumas, presidente executivo da Hermes, alertou no início deste ano sobre o risco de “hype” em torno do metaverso, dizendo que poderia ser uma maneira de ganhar “dinheiro fácil”.

Bitcoin e criptomoedas começaram a se recuperar em 2020 e no ano passado, quando bancos centrais e governos lançaram estímulos sem precedentes nas economias devastadas pela covid. Esse mercado altista chegou a um fim abrupto em novembro, quando a inflação em alta forçou os bancos centrais a adotar uma postura mais agressiva.

PUBLICIDAD

O Bitcoin está mais de 40% abaixo de seu pico, e muitos tokens menores sofreram quedas ainda mais acentuadas. Entre os céticos cripto notáveis estão a lenda do investimento Warren Buffett e seu parceiro de negócios de longa data Charlie Munger, que na semana passada reiterou seu desdém por ativos como o Bitcoin.

A Gucci gerou mais da metade da receita da Kering no primeiro trimestre deste ano. A casa de moda foi recentemente atingida por bloqueios na China, onde o governo lutou para conter o ressurgimento do covid-19.

PUBLICIDAD

Leia também

A reinvenção do fundador da Empiricus que ficou 3 anos preso nos EUA

Últimas BrasilGucci
PUBLICIDAD