PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Agro

O que a demanda da China pelo milho brasileiro significa para o agro nacional

Estimativas de exportação mostram que volume pode superar total embarcado para o país asiático nos últimos seis anos

China amplia interesse no milho brasileiro e exportações podem chegar a um novo recorde ainda neste ano
26 de Maio, 2022 | 08:10 am

Bloomberg Línea — Em 2021, as exportações brasileiras de milho para a China foram praticamente nulas. Sem um protocolo sanitário vigente, os embarques sequer chegaram a uma tonelada. Contudo, alguns fatos recentes indicam que o cenário pode mudar.

PUBLICIDAD

O primeiro ocorreu na segunda-feira (23), quando China e Brasil divulgaram uma nota conjunta dizendo que foram concluídas as negociações para que os embarques brasileiros do cereal fossem retomados.

O segundo é que, de fato, mesmo sem o protocolo, um volume um pouco mais significativo foi embarcado para a China em abril. O Brasil exportou no mês passado pouco mais de 35 mil toneladas para o mercado chinês e, mesmo ainda distante de anos anteriores, o destino representou cerca de 5% do volume total embarcado no mês. Esse foi o maior volume mensal enviado à China desde setembro de 2020, conforme dados do Ministério da Economia.

PUBLICIDAD

Pode parecer pouco, mas a China nunca figurou entre os maiores destinos do milho brasileiro e esses 5% podem ser apenas o início de um movimento maior que está por vir. O melhor resultado dos últimos dez anos ocorreu em 2016, quando foram embarcadas 172,5 mil toneladas do cereal ao mercado chinês. Na ocasião, o volume não representou sequer 1% do total das exportações daquele ano, que somaram 21,9 milhões de toneladas.

Segundo a Bloomberg News citando operadores que não se identificaram, a China teria encomendado entre 250 mil e 400 mil toneladas de milho brasileiro para embarque em setembro. Se confirmada, apenas essa compra seria maior do que toda a exportação de milho feita pelo Brasil para a China entre 2016 e 2021 somada.

PUBLICIDAD

Empresas de inteligência de mercado especializadas no setor consultadas pela Bloomberg Línea projetam que a demanda chinesa por milho brasileiro pode variar de 7 milhões a 8 milhões de toneladas entre agosto e outubro deste ano. Nesses patamares a China passaria a ser um importante destino do cereal brasileiro, considerando uma estimativa total de exportações de 34 milhões de toneladas para o ciclo 2021/22, conforme dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

O interesse dos importadores chineses do milho do Brasil está relacionado com a guerra na Ucrânia. Além da Europa, o país é um importante fornecedor de milho para a Ásia e estava uma posição à frente do Brasil no ranking dos maiores exportadores até o ano passado, antes de entrar em conflito com a Rússia.

Com dificuldade em se abastecer no mercado ucraniano e com limitações em ampliar os volumes importados dos Estados Unidos, a China estaria correndo contra o tempo para garantir o próprio abastecimento.

PUBLICIDAD

Atualmente, pouco mais de 25% das exportações americanas de milho têm como destino o mercado chinês. Outros 25% vão para o México, 17% para o Japão e o restante para outros países do mundo.

Leia também

PUBLICIDAD

Otimismo agro: o investimento de R$ 700 milhões da 3tentos em Mato Grosso

Porto no Espírito Santo quer mudar rota da exportação de soja

Aposta agro do Pátria vende R$ 1 bi em insumos e será paga em soja e milho

Últimas BrasilBloomberg LíneaAgronegócioMilhoChinaExportaçãoGuerra na Ucrânia
Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.