Tech

Piloto automático da Tesla gera alarme nos EUA após desastres

Reguladores americanos estão aplicando maior escrutínio ao piloto automático do que nunca após acidentes

Musk e Tesla não responderam a pedidos de comentários
Por Craig Trudell e Keith Laing
18 de Abril, 2022 | 03:25 pm

Bloomberg — Derrick Monet e sua esposa, Jenna, estavam dirigindo em uma estrada interestadual de Indiana em 2019 quando seu sedã Tesla Model 3 operando no piloto automático colidiu com um caminhão de bombeiros estacionado. Derrick, então com 25 anos, sofreu fraturas na coluna, pescoço, ombro, costelas e perna. Jenna, 23, morreu no hospital.

PUBLICIDAD

O incidente foi um de uma dúzia nos últimos quatro anos em que Teslas usando este sistema de assistência ao motorista colidiram com veículos de emergência, levantando questões sobre a segurança da tecnologia que a montadora mais valiosa do mundo considera uma de suas joias da coroa.

Agora, os reguladores dos EUA estão aplicando maior escrutínio ao piloto automático do que nunca. A National Highway Traffic Safety Administration, que tem autoridade para forçar recalls, abriu duas investigações formais de defeitos que podem levar a Tesla (TSLA) a ter que reformar carros e restringir o uso do piloto automático em situações em que ainda não é seguro.

PUBLICIDAD

Uma repressão ao piloto automático pode manchar a reputação da Tesla junto aos consumidores e assustar os investidores cuja crença na boa-fé da empresa ajudou a tornar o CEO da Tesla, Elon Musk, a pessoa mais rica do mundo.

Isso pode prejudicar a confiança na tecnologia que outras empresas automobilísticas e de software estão gastando bilhões para desenvolver na esperança de reverter uma tendência preocupante de aumento das mortes no trânsito nos EUA.

PUBLICIDAD

Também pode trazer à tona as tensões de longa data entre Washington e a Tesla. O iconoclasta Musk já ridicularizou a NHTSA como “estraga-prazeres” e se irritou com a relutância do presidente Joe Biden em elogiar a empresa pioneira. Ele não tem vergonha de criticar legisladores e reguladores no Twitter, a plataforma de mídia social que ofereceu de comprar por US$ 43 bilhões.

A Tesla, que divulga balanço no final desta semana, ultimamente tem uma aura de invencibilidade. À medida que rivais maiores foram prejudicados pela escassez global de chips e outras interrupções durante a pandemia, a fabricante de carros elétricos conseguiu aumentar a produção.

Uma agência governamental com poucos recursos e lenta é um dos poucos obstáculos que ameaçam tirá-la do curso.

PUBLICIDAD

Musk e Tesla não responderam a pedidos de comentários.

“Tornar nossos veículos mais seguros é fundamental para a cultura de nossa empresa e como inovamos em novas tecnologias”, escreveu Rohan Patel, diretor sênior de políticas públicas e desenvolvimento de negócios da Tesla, em carta a congressistas em março.

PUBLICIDAD

Uma repressão da NHTSA seguiria repetidos apelos do National Transportation Safety Board, órgão independente de investigação de acidentes, para reforçar a supervisão de veículos automatizados.

O NTSB, que não tem o poder de obrigar as montadoras a seguir suas recomendações, sugeriu que a Tesla adote as salvaguardas do sistema de direção automatizada que a General Motors e a Ford Motor adotaram para seus sistemas. A Tesla não respondeu às diretrizes do NTSB e, em vez disso, continuou sua abordagem mais arriscada.

PUBLICIDAD

“Nós essencialmente temos o velho oeste em nossas estradas atualmente”, disse Jennifer Homendy, presidente do NTSB, em entrevista. Ela descreve a implementação pela Tesla de recursos comercializados como Autopilot e Full Self-Driving como experimentos de inteligência artificial usando operadores não treinados. “É um desastre esperando para acontecer.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDAD

Leia também

‘In careca we trust’: Analista de câmbio vira sensação no Brasil

Estagiários da Faria Lima ganham mais do que o profissional médio brasileiro

Últimas BrasilTeslaElon Musk
PUBLICIDAD