PUBLICIDAD
PUBLICIDAD
Agro

Preço da carne bovina e do frango nunca foi tão caro e não deve cair tão cedo

Produtores em todo o mundo enfrentam preços quase recordes para ração animal, à medida que os suprimentos de grãos e soja diminuem

Carnes
Por Megan Durisin y Jen Skerritt e Michael Hirtzer
20 de Maio, 2022 | 01:31 pm

Bloomberg — Produzir a carne do mundo raramente foi tão caro.

PUBLICIDAD

Ao sul de Calgary, no oeste canadense, Don Lowe, que é pecuarista há 40 anos, esperava expandir seu rebanho de 800 vacas de corte este ano, mas com a disparada dos preços de ração ele luta para manter os animais que tem.

Do outro lado do oceano em East Yorkshire, Inglaterra, a suinocultora Kate Moore diz que a manutenção de seu rebanho de 32.000 animais se tornou extremamente difícil.

PUBLICIDAD

“É horrendo”, disse Moore, que agora registra uma perda de cerca de £60 (US$ 75) por animal por conta do alto custo de ração e cuidados. “Não há luz no fim do túnel no momento. A indústria suína britânica nunca mais será a mesma.”

Nos EUA, os preços do bacon, peito de frango e carne moída nunca estiveram tão altos.Fotógrafo: Andrew Harrer/Bloombergdfd

Produtores em todo o mundo – com mais de 40 bilhões de porcos, vacas, búfalos, ovelhas, cabras e aves – enfrentam preços quase recordes para ração animal, à medida que os suprimentos de grãos e soja diminuem.

PUBLICIDAD

As contas dispararam para tudo, desde a eletricidade que mantém seus celeiros bem iluminados e aquecidos até os caminhoneiros que transportam seus animais para abatedouros.

Os custos das colheitas e da energia que aumentaram após a invasão russa na Ucrânia agravaram os problemas como secas que restringem pastagens e surtos de gripe aviária da América do Norte à Europa que dizimaram milhões de aves.

Atingidos por todos os lados, muitos pecuaristas vendem seu gado ou criam menos, o que levará a uma produção limitada a longo prazo. O número de vacas de corte sendo abatidas nos EUA é o maior desde que os registros começaram em 1986, e essas vacas que não dão à luz bezerros resultarão em rebanhos menores.

PUBLICIDAD

Isso significa que os preços da carne – já em níveis recordes – não vão diminuir rapidamente, pesando ainda mais nos orçamentos das famílias que estão sobrecarregados com os custos mais altos de outros alimentos básicos e necessidades.

O índice de preços da carne da Organização para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas aumentou 10% desde o início do ano, atingindo um recorde em abril. Nos EUA, os preços do bacon, peito de frango e carne moída nunca estiveram tão altos.

PUBLICIDAD
Semear porcos em uma fazenda perto de Thetford, Reino Unido.Fotógrafo: Chris Ratcliffe/Bloombergdfd

A produção global de carne de frango, suína e bovina desacelerará para um avanço de 1,4% em 2022, contra 5,4% no ano passado, prevê o governo dos EUA .

“Muitas das pressões que estamos enfrentando, as pressões individuais em si não são realmente novas ou incomuns”, disse Justin Sherrard, estrategista global de proteína animal do Rabobank. “É a combinação de problema sobre problema.”

PUBLICIDAD
Churrasco mais caro: Índice de preços da carne mundial atingiu a maior alta da história em abrildfd

A invasão da Rússia desacelerou as exportações de grãos da Ucrânia, reduzindo a oferta de milho dos quais grandes produtores de suínos como Espanha e China dependem. Os futuros do milho em Chicago subiram 31% este ano. Em Paris, saltaram 55%.

A produção de carne suína na União Europeia, maior exportador mundial, cairá 3% este ano, a primeira queda desde 2019, estima o governo.

PUBLICIDAD

Na China, lar de metade dos suínos do mundo, as despesas recordes com ração levaram o número de porcas a cair por oito meses consecutivos.

Na Argentina, os incêndios florestais mataram 700.000 cabeças de gado em fevereiro e março, enquanto pastagens em todo o cinturão agrícola dos Pampas sofreram com a seca. O rebanho no caminha para uma mínima de seis anos.

PUBLICIDAD

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Porto no Espírito Santo quer mudar rota da exportação de soja

Últimas BrasilCarneAgro