Negócios

Vendas da Porsche tropeçam em problemas de fornecimento e restrições pela covid

Em 2021, a Porsche entregou um número recorde de veículos, mesmo com a escassez global de chips

Montadora continua trabalhando em um IPO direcionado para o quarto trimestre, que pode avaliar a marca em até US$ 97,5 bilhões.
Por Monica Raymunt
15 de Abril, 2022 | 09:20 PM

Bloomberg News — As entregas da Porsche caíram durante o primeiro trimestre depois que surtos de coronavírus na China fecharam concessionárias e vários veículos foram perdidos no mar quando um navio de carga pegou fogo e afundou.

PUBLICIDAD

Os embarques da marca Volkswagen AG caíram 5%, para 68.426 veículos em todo o mundo durante os primeiros três meses do ano, depois que quedas significativas nos Estados Unidos e na China superaram o aumento na Europa, disse a fabricante de carros esportivos na quinta-feira (14). No ano passado, a Porsche entregou um número recorde de veículos, mesmo com a escassez global de chips abalando as montadoras.

“O último surto da pandemia na China e em outras regiões, bem como consideráveis desafios logísticos e relacionados à entrega, nos colocaram sob considerável pressão”, disse Detlev von Platen, chefe de vendas e marketing da Porsche, em comunicado.

PUBLICIDAD

As montadoras continuam lutando contra tensões significativas de cadeias de suprimentos, principalmente a escassez de semicondutores que paralisaram as linhas de produção. Enquanto os fabricantes delinearam esperanças de melhores suprimentos durante o segundo semestre do ano, a Mercedes-Benz AG relatou uma queda de 15% nas entregas durante o primeiro trimestre.

Além disso, os novos lockdowns na China para combater o coronavírus e a guerra da Rússia na Ucrânia estão sobrecarregando os negócios globais.

PUBLICIDAD

A Porsche teve um desempenho melhor do que algumas das outras unidades da Volkswagen. As entregas da principal marca de passageiros VW caíram 26% no primeiro trimestre, enquanto a Audi registrou um declínio de 17%, disse a fabricante com sede em Wolfsburg na quinta-feira (14) em outro comunicado.

Na China, o maior mercado da Porsche, as vendas caíram em um quinto, pois os lockdowns impostos pelo governo forçaram a paralisação do comércio e dos negócios de consumo. A montadora, uma das unidades mais lucrativas da VW, continua trabalhando em uma oferta pública inicial direcionada para o quarto trimestre, que pode avaliar a marca icônica em até 90 bilhões de euros (US$ 97,5 bilhões).

“Estamos começando o segundo trimestre com hipervigilância – principalmente em vista dos conflitos armados na Ucrânia”, disse von Platen. “O impacto em nossos negócios é continuamente revisado e avaliado por especialistas em uma força-tarefa.”

PUBLICIDAD

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

PUBLICIDAD

Twitter ativa ‘poison pill’ para evitar aquisição de Musk

Bilionário acusado de sonegação fiscal alega ter ‘demência avançada’

Últimas BrasilPorscheAutomóveisLockdownChinaCoronavirus
PUBLICIDAD