Mercados

Liquidez do mercado de títulos dos EUA segue comprometida, dizem estrategistas

Aumento da volatilidade manteve alguns investidores de fora e aumentou a fricção em um dos mercados mais profundos do mundo

Liquidez do mercado de títulos dos EUA segue comprometida, dizem estrategistas
Por Ye Xie
25 de mayo, 2022 | 09:50 AM
Tiempo de lectura: 1 minuto

Bloomberg — Os títulos do Tesouro americano tiveram algum alívio de sua pior liquidação da história recente, à medida que a preocupação com o crescimento econômico levou a um fuga para segurança. Mas isso não impediu que a liquidez no mercado de US$ 22 trilhões se deteriorasse ainda mais.

O Bloomberg U.S. Government Securities Liquidity Index - um indicador de desvios nos rendimentos que aumentam quando a liquidez cai - subiu na terça-feira para o nível mais alto desde março de 2020, quando os estágios iniciais da pandemia de Covid causaram estragos na economia.

Embora os rendimentos dos títulos tenham diminuído em relação aos picos recentes com a queda das ações, o aumento da volatilidade manteve alguns investidores de fora e aumentou a fricção em um dos mercados mais profundos do mundo.

PUBLICIDAD

A liquidez deteriorou-se em parte porque “a elevada volatilidade do mercado fez com que o apetite de risco dos especuladores diminuísse”, disse Hidehiro Joke, estrategista sênior de títulos da Mizuho em Tóquio. Essa situação “também adiciona prêmios de risco aos rendimentos do Tesouro”, disse.

Em seu relatório de estabilidade financeira divulgado no início deste mês, o Fed alertou que uma “notável deterioração na liquidez do mercado do Tesouro” contribuiu para “grandes flutuações nos preços dos ativos financeiros”.

Isso acontece antes mesmo do Fed começar a cortar suas enormes participações em títulos do Tesouro e títulos hipotecários, a partir da próxima semana, como parte de seu plano de apertar as condições financeiras para esfriar a inflação.

PUBLICIDAD

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Política da Covid Zero torna meta de crescimento da China quase impossível

O CEO de 23 anos que tem startup unicórnio avaliada em US$ 1 bilhão

PUBLICIDAD